Projeto social reúne católicos e evangélicos em um terreiro de Umbanda

Um grupo evangélico encontrou Jesus durante um trabalho de umbanda. Feito, inclusive, por eles com católicos e adeptos da religião espírita, com o intuito de interferir na vida de 130 famílias da Zona Oeste. Fiéis a um programa de estágio na Tenda Espírita Caboclo Flecheiro, em Santíssimo, os religiosos gospel contam que sentem a presença de Deus no projeto social.

– Enxergo Deus e Jesus dentro desse terreiro. Eu precisava de um estágio e, quando fui convidada a participar, corri no banheiro da faculdade (evangélica) e orei: Senhor, entrego em tuas mãos. Vim confiante. O objetivo aqui é só a ajuda ao próximo – elogia Rosemere Mathias, de 48 anos, convertida na igreja Assembléia de Deus Nova Filadélfia.

O encontro dos religiosos não tem qualquer vínculo litúrgico. Ao contrário, eles se reúnem apenas para celebrar o aprendizado do curso de Assistência Social, que já chegou ao seu 8 período em uma faculdade cristã.

– Antes, eu tinha uma ideia horrorosa dos terreiros. Quando era mais nova, achava que tudo era obra do capeta. É que, na concepção de alguns evangélicos, Deus só está na igreja deles. Era falta de conhecimento minha – destaca a estagiária Andreia de Oliveira, de 35 anos, que atualmente procura uma igreja.

A distribuição de frutas Foto: Rafael Moraes / Extra
A distribuição de frutas Foto: Rafael Moraes / Extra

Ação social

O grupo se reúne no terreiro, a cada 15 dias, para distribuir pepinos às famílias assistidas. E também abacaxis, abóboras e bananas, além de frutas em geral. E, em uma sala, apuram a necessidade de cada uma – 80% delas evangélicas -, orientando-as em casos jurídicos, de saúde e até na retirada de documentos. Fora as palestras educativas sobre câncer de mama, verminoses e o uso de preservativos. E tudo gratuito.

Uma alegria para a umbandista Meri Silva, de 45 anos, que convidou os amigos de turma para o estágio quando soube da necessidade de mão de obra social no terreiro.

– No grupo de estágio, temos até um pastor e duas pastoras. Vejo o verdadeiro amor de Cristo neles. Fui cristã dos 9 aos 22 anos. Mas tive decepções e entrei em depressão. Fui acolhida aqui com amor – conta Meri, ex-evangélica.

O dirigente do terreiro, Marco Xavier, também elogia o projeto “Fé com Atitude”, há um ano com os estagiários.

– São excelentes religiosos por quebrarem tabus em relação a Umbanda – afirma Marco Xavier.

A evangélica Carla Gomes com o pastor Enildo de Queiroz Foto: Rafael Moraes / Extra
A evangélica Carla Gomes com o pastor Enildo de Queiroz Foto: Rafael Moraes / Extra

Professora dá uma lição de tolerância

A professora de educação física Carla Gomes, de 32 anos, adora ir a cultos evangélicos a caráter. De saia comprida, mas com roda e muitas cores, ela senta na cadeira da Igreja Assembléia de Deus Ministério Vencedor, em Campo Grande, usando pulseiras, argolas, pano de cabeça e até rastafári e dreadlocks no cabelo. É como apresenta aos fiéis a sua cultura, a dos negros.

– Hoje, há uma cultura em demonizar a religião, as vestes, os costumes dos negros. Eu quis mudar isso. Nas escolas que dei aula, gostava quando as crianças entendiam que as coisas dos negros são legais, que elas (crianças) fazem parte disso. E são essa história. Essa é a minha missão – revela Carla, pós-graduada em História da África e professora de jongo, maracatu, coco, maculelê e samba de roda pela Cia. Banto, fundada por ela.

O pastor Enildo Carneiro, de 55 anos, abençoa:

– Ela pode vir assim à igreja. Alguém pode estar alinhado, de terno, e não ser do Senhor. Vestimentas não dizem nada. A espiritualidade, sim. É que muitos pastores pegam um pedacinho da palavra de Deus e fazem disso uma imposição.

‘Hoje penso: cada um com a sua religião’

Depoimento

Rosemere Mathias

48 anos, técnica de enfermagem e estudante

“Ainda tem muita gente sem visão (no mundo evangélico). Eu mesma não imaginava que estaria em um terreiro de Umbanda fazendo caridade. Acho que até eu era limitada. Mas o preconceito, lá fora, é muito grande. Hoje penso: cada um com a sua religião. E isso não se discute. Aqui no estágio, o Marcos (dirigente do terreiro) nunca tentou me converter à umbanda e nem falou sobre religião comigo. O nosso objetivo aqui (dos estagiários) é ajuda, trabalho. Na faculdade, antes de começar o estágio, ainda ouvi: olha, você está lá? O senhor não vai gostar.”

As roupas Foto: Rafael Moraes / Extra
As roupas Foto: Rafael Moraes / Extra

Fonte: Jornal EXTRA


Gostou do artigo? Então não se esqueça de compartilhar com os seus amigos! Obrigado!




11 respostas para “Projeto social reúne católicos e evangélicos em um terreiro de Umbanda”

  1. Em respeito a tudo que vi e li, quero expressar meu amor por todos e perguntar: como fica então a ordem que Deus deixou de não adotarmos imagens nem nos cuvarmos diante de qualquer coisa que não seja Deus.
    E só ele deve ser adorado,e exaltado, eu não entendo de religião entendo da bíblia, e do amor e respeito ao proximo.
    Cada um faça o que for melhor pra si, porque a resposta final quem vai da é o todo poderoso.
    Fiquem todos na paz de Deus.

    1. No meu ponto de vista particular, não vejo imagens como itens de adoração. Vamos pegar como exemplo o São Francisco, santo católico. Ele foi um jovem de família de posses que nos moldes atuais seria comparado a um playboy que curtia a night todos dias. Num momento da vida ele se tocou que a vida era mais que aquilo, que o objetivo era a caridade. Começou a ajudar quem necessitava, fundou uma ordem que recebeu seu nome, onde tinham o voto de pobreza e a única meta era ajudar quem precisasse. Ao se ter uma imagem dele em casa ou em um templo religioso seria mais uma forma de lembrar como ele entendeu a mensagem que Jesus passou na bíblia. E sendo uma mensagem de Jesus, não deixa de ser uma referência a Deus.

      Pense que existem várias religiões, onde o foco é único: Amar a Deus, amar a si mesmo e ajudar os que necessitam. Isso é o sentido principal que Jesus tentou nos passar, independente dos meios usados para se chegar a isso.

  2. Olá, quero parabenizar a todos pelo belo projeto. Acredito que um espiritualista de fato independente da sua crença religiosa, quebra qualquer barreira imposta por dogmáticos e fundamentalistas e assim, cria lindas formas de servir ao bem estar do próximo. Acredito que quando nos unimos para fazer o bem, estamos cumprindo a nossa missão que e servir o Supremo Deus. Quero externar aqui o meu respeito e carinho por todos desse projeto, e oro ao nosso Senhor Jesus Cristo que muitas outras pessoas como vocês se unam e expandam esses exemplos para todo o Brasil.

  3. Que legal!
    Meus sinceros parabéns a essa grande demonstração de tolerância e respeito as diferenças!
    Isso sim devolve a esperança e a fé na humanidade!
    Que isso sirva de exemplo a todo mundo!
    Abraço de um ateu!

  4. Lindo projeto, linda ideia, super apoio!
    as vezes necessitamos sair de nossas caixinhas rotuladas para ajudar o próximo, para enxergarmos um pouco mais desse amor transbordante que vem de cristo, afinal.. Oque seria de nós se ele só morresse pelos fieis e pelos seguidores dele naquela época? se ele só ajudasse os discípulos,as vezes é necessário viver a metanoia e se questionar Oque faria jesus no meu lugar!?
    #Avantefilhosdefé
    #Cristã
    #teóloga
    #umbandista

  5. Imagens não são adoradas, ninguém ama uma estatua. E sim, os seres de Luz que estiveram na Terra trouxeram evolução ao caminho do amor, da paz, da caridade, etc. Que estão representados nas imagens, e não as imagens propriamentes ditas. São Santos, pessoas, Seres Divinos, espiritos, ou Orixás, exemplares, Divindades a quem pedimos auxílio, força, inspirações, etc. Toda e qualquer religião tem Deus acima de todo e qualquer outro ser.

  6. Parabéns. Sou nascida e criada em lar evangélico, Assembleia de Deus, nunca reneguei a Deus. E depois de conhecer outros mundo, ler outros livros, visitar outros espaços, conversar e conviver com outro publico, percebo que o homem só é mesmo alienado por querer ser. Minha familia é de crentes, meu pai pastor. Hoje nao me sinto de nenhuma religiao e frequento diversas, adoro fazer parte de projetos sociais, seja de onde for. Sou feliz assim. E penso que com Respeito e com um olhar de Amor todos podemos dar as mãos. “Paz na terra aos homens DE BOA VONTADE!”

  7. Gente gostei do projeto, isso é bom pois quebra os preconceitos, Jesus ou Oxalá como queiram chama-lo, ensinou assim ‘Amai-vos uns aos outros como eu vos amei’, por isto nós deveríamos cumprir o seu mandamento sem preconceitos eu conheço pessoas ótimas que frequentam a umbanda , e como não acredito em contaminação espiritual ou encostos, convivo bem com todos. Fiquem todos com Deus. Aos protestantes, A Paz do senhor. Aos católicos, Salve Maria. Aos Umbandistas um grande AXÉ.

  8. Essa linda atitude dessas pessoas deve servir de exemplo a todos brasileiros, afinal vivemos momentos de disputa entre religiões, é um absurdo mas infelizmente é a realidade. Lindo projeto, que deus abençoe cada vez mais!!! Pra mim religião nada mais é do que vários caminhos que levam ao mesmo Deus criador, o que muda são os fundamentos de cada uma. Deus não é propriedade de ninguém nem de religião nenhuma, Deus é amor, carinho e respeito. Axé a todos

  9. Sou umbandista e me alegro em saber, dessa união fraterna, em busca de um único objetivo:A caridade.Quem sabe assim, teremos mais amor ao próximo e menos preconceito absurdo! Parabéns a todos os irmãos dessa empreitada de luz!

  10. Deus e um so muitos sao bom pra critica mas nao sabem o que realmente acomteçe dentro da religiao . Nao e so religiao e carater e amor caridade e vc ajuda quem precisa porque nossa salvaçao depende de nossos atos amo minha amada unbanda

Deixe uma resposta