Erês: conheça as crianças que trazem alegria aos terreiros

64
Imagem: Bonde

Um modo de ver diferente, uma energia incontrolável, a mais pura e verdadeira vontade de ser feliz e de simplesmente viver o que tiver que ser vivido. São por meio dessas emoções e da simplicidade do olhar de uma criança, que despertam os erês. Brincadeiras e diversão são o significado da palavra erê em yorubá e traduzem muito bem o espirito de uma criança.

De acordo com a mística e espiritualista Kélida, esses seres iluminados trabalham como um intermediário do orixá, expressando sua vontade. Porém, para saber o que é o Erê de fato, é importante entender que existem diferenças entre a sua atuação na Umbanda e no Candomblé. “Na Umbanda acredita-se que que erês são espíritos de crianças evoluídas que não chegaram a encarnar e que estão muito próximas dos orixás, transmitindo suas sabedorias. Já no Candomblé, eles são vistos como entidades intermediárias que conectam o orixá ao seu filho ou filha, em rituais de iniciação”, explica.

A especialista, que também é umbandista e criadora de um dos principais canais do Youtube sobre espiritualidade, destaca que, apesar da festa e da alegria contagiante, esses seres encantados aparecem para equilibrar a energia do local e transmitir a mensagem do orixá regente. “Eles podem, de forma muito pura falar a verdade sem rodeios e fazer perguntas inapropriadas, típico de uma criança inocente”, pontua Kélida.

Dessa maneira, os erês simbolizam a ponte que o une o inconsciente do orixá e a consciência humana. “Eles são portadores de renovação, transformação, esperança e amor puro. A sua importância tanto para a Umbanda, quanto para o Candomblé é inegável, por isso, a sua presença no terreiro é sempre celebrada com muita festa”.

E por falar em festa, a celebração aos erês ocorre no dia de São Cosme e Damião, os famosos santos gêmeos da Igreja Católica. Os dois eram médicos que costumavam atender a população carente gratuitamente e, quando os pacientes eram crianças, entregavam doces.

Kélida, que também é Dirigente na Casa Espiritual Maria Madalena, explica ainda que a representatividade no seu trabalho com os erês vem na forma de uma criança – um espirito que atende pelo nome de Helena, carinhosamente chamada de Heleninha. “Esse espirito infantil atua realizando trabalhos mediúnicos de cura mental e física e seus trabalhos a distância atraem cerca de 3.500 pessoas em uma sessão de uma hora e meia.”

A especialista revela ainda que em seu trabalho como mística e espiritualista recebe pedidos de pessoas do Brasil e do Exterior e assim consegue arrecadar cestas básicas, roupas e brinquedos usados para ajudar instituições de caridade através da ajuda dos erês. “Crianças significam alegria, vida, continuidade e fé e por esse motivo estamos sempre em constante crescimento e aprendizado com essa energia pura e cheia de amor” – finaliza.

Fonte: Bonde


Assine nossa Newsletter


Receba toda semana as últimas notícias do Umbanda 24 Horas em seu e-mail