Depressão, Uma Visão Espiritual

Desde o passado longínquo autoridades médicas e psicológicas têm buscado explicações para os estados depressivos, considerando apenas como estado mórbido.
Será apenas distúrbio somático, decorrente de síndromes nervosas?
Mais recentemente já se começou a pensar que a depressão, causas e conseqüências poderiam ter outras configurações, a partir de estudos até mesmo do comportamento humano.
Não haveria também causas espirituais?
Dizemos espirituais e não religiosas, pois qualquer nome que se dê, sabemos que o corpo humano é constituído do corpo e alma (espírito), sem contar que a Doutrina Espírita encontra um outro componente: o perispírito.
Como objeto de estudo dentro da Doutrina Espírita, fomos buscar em renomados autores encarnados, especialistas quanto ao mecanismo da mente e, nos desencarnados, como forma de conhecer a visão Espírita de depressão.
O ponto de partida é um texto extraído do Boletim da Associação Médico-Espírita do Estado do Espírito Santo, de autoria do médico Dr. Wilson Ayub Lopes, que buscou em obras espíritas, elementos para seu artigo “A Depressão na Visão Espírita”.
A leitura desse texto demonstra bem a conceituação médica da depressão, enriquecida com preciosos esclarecimentos de espíritos evoluídos registrados na bibliografia doutrinária, concluindo pelo nexo casual entre moléstia e perturbação do espírito.
Vamos então procurar uma síntese de informações, para se entender como o mundo espiritual pode ter influências no surgimento de depressões, nas suas variadas manifestações.
Claro, óbvio, que a primeira obra seja “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, de Allan Kardec, na tradução de J. Herculano Pires.
Os elementos que coligimos fomos buscar no capítulo V – Bem aventurados os aflitos… o que já nos prenuncia um estado espiritual para um grande número de depressões a que os seres humanos estão sujeitos.
O que são aflições?
São alterações do modo de vida que se transformam em vicissitudes que têm uma causa justa e, considerando que Deus é justo, a causa é, por consequência, justa.
Segundo Kardec, essas vicissitudes tem duas causas distintas, podendo ser originária da vida presente ou de outras vidas.
Poque a ligação de vicissitudes com depressão?
Simplesmente porque, segundo o Dr. Ayub, a depressão decorre ou é “uma alteração do estado de humor, uma tristeza intensa, um abatimento profundo”.
E Kardec complementa que as vicissitudes são as aflições de que a pessoa é tomada, as decepções, as frustrações, enfim, vários acontecimentos que deprimem o estado de espírito, como se costuma dizer em linguagem mais acessível.
A quem cabe a culpa por essas aflições?
Kardec responde que “cabem senão a si mesmo”, pois por orgulho ou falta de conhecimento, atribuem à falta de sorte, à Providência, sua má estrela, sem pensar que sua má estrela é sua própria falta de compreensão.
Segundo Dr. Ayub, a depressão se apresenta sob três formas, decorrentes de fenômeno casual. Algumas são comportamentais, outra advem de um estado mórbido e ainda as que fogem ao controle do homem, são de caráter imponderável, e ocorrem dentro da misirecórdia divina: a perda de um ente querido, um acidente fatal, reveses da fortuna, flagelos naturais.
Analisando a depressão originária de vidas passadas, se o espírito encarnado volta a deixar de cumprir seus compromissos dentro de seu livre arbítrio, escolhida a ação, depois se arrepende e fica com a consciência culpando-o, talvez até mesmo por vislumbres de lembranças do passado.
Não foi o que ocorreu com Pedro e com Judas?
Ambos se arrependeram e caíram num estado depressivo, do qual só a fé e a força de vontade podem tirar desse estado.
Vimos que Pedro se arrependeu, pediu perdão, e se reabilitou perante Cristo, o que não conseguiu Judas Iscariotes.
Este, deprimido e arrependido, viu no suicídio a única forma de se redimir do seu erro.
Aqui vale uma pergunta não propriamente dentro do tema, mas para reflexão: essa sua traição não estaria dentro dos desígnios de Deus, pois com todo Seu poder poderia ter evitado a prisão de Jesus? A nós parece que estava escrito!
Segundo pesquisadores, a depressão se apresenta sob formas diferentes, com intensidade e/ou duração variável. E também que todo depressivo, em regra geral é triste, mas a recíproca não é verdadeira.
Por que estamos defendendo a posição, com certeza com boas companhias, de que a depressão em muitos e muitos casos pode ser consequência de uma causa espiritual?
Não nos disse Jesus “no mundo tereis aflições…”?
Vamos também transcrever um trecho de Kardec:
“O Espiritismo é a ciência nova que vem revelar aos homens, por meio de provas irrecusáveis a existência e a natureza do mundo espiritual e suas relações com o mundo corpóreo”.
Ele no-lo mostra, não mais como coisa sobrenatural, porém, ao contrário, como uma das forças vivas e sem cessar atuantes da Natureza, como a fonte de uma imensidade de fenômenos até hoje incompreendidos e, por isso, relegados para o domínio do fantástico e do maravilhoso. É a essas relações que o Cristo alude em muitas circunstâncias e daí vem que muito do que Ele disse permaneceu ininteligível ou falsamente interpretado. O ESPIRITISMO É A CHAVE COM O AUXÍLIO DA QUAL TUDO SE EXPLICA DE MODO FÁCIL (O Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo I).
Por que não buscarmos na luz da Doutrina, o que o Espiritismo e os espíritos evoluídos e benfeitores dos encarnados sob a proteção de Jesus, pode dar a propósito do tema?
Nós, espíritas convictos, sabemos que a reencarnação é a chave que recebemos da Misericórdia Divina, para o aperfeiçoamento do nosso Espírito, e nesse caminho encontramos sempre os Espíritos que nos amam e se preocupam com o nosso estado corpóreo e espiritual. São Bons Espíritos que nos acompanham, nos dão assistência sempre e, principalmente, nos fortalecem intuindo para o caminho do êxito na missão.
Assim, todo encarnado deprimido vai encontrar na Doutrina excelente aliada para a recuperação da sua saúde. Basta querer encontrar o remédio certo, na medida certa, e na hora exata.
Nery Porchia
Fonte: http://espiritualizandocomaumbanda.blogspot.com.br/2010/11/depressao-uma-visao-espiritual.html

Deixe uma resposta