A origem dos Orixás para os Iorubas ou Nagôs

A concepção da origem dos orixás não é a mesma em todos os cultos de Umbanda. Assim, por exemplo, para os Iorubas, ou nagôs, o culto dos orixás ou bacuros não é exatamente o das forças da natureza. Pensam eles que a maioria dos orixás era, em sua origem, seres humanos privilegiados que possuíam poderes sobre as forças da natureza e que, ao invés de morrer, se transformaram em pedras, rios, árvores ou lagoas.
Daí a grande quantidade de lendas nagôs sobre a vida humana dos orixás, à semelhança das figuras da mitologia grega e romana. Os orixás deixaram descendentes diretos, os quais, segundo Pierre Verger, continuam o culto dos seus antepassados divinizados.
Nota-se, entretanto, que a tese nagô de seres privilegiados, porém, humanos, que controlavam as fôrças da natureza, concorda singularmente com a teoria filosófica da existência anterior de homens que dispunham de domínio sobre os elementos naturais. É a hipótese da decadência da humanidade atual, que sucedeu a outra incomparavelmente mais forte sob o ponto de vista espiritual.
Roger Bastide interroga: “Em que medida esses antigos reis e feiticeiros divinizados viveram e existiram, ou são a projeção, no passado, de simples imagens estabelecidas pela religião?”
Nós, todavia, acreditamos firmemente que os orixás são imateriais, são espíritos de luz que nunca se encarnaram em seres humanos, que nunca tiveram existência terrena, e que se manifestaram mediante “aparelhos” de sua escolha, isto é, “filhos de santo”.

Trecho retirado do livro: As Mirongas de Umbanda


Gostou do artigo? Então não se esqueça de compartilhar com os seus amigos! Obrigado!




Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.