Passe em roupas? Como assim?

Ocorre que as fibras dos tecidos que compõem vosso vestuário ficam carregadas do magnetismo peculiar dos que a usam. E, assim como vossas digitais ficam impressas no papel quando manchais os dedos de tinta, igualmente o magnetismo pessoal impregna os objetos quando há o direcionamento pela vontade educada, e também se fixam vibratoriamente nos objetos as “coordenadas físicas” dos que utilizam regularmente crucifixos, pingentes e correntes de diversos tipos de metais. Os fundamentos são idênticos aos da fluidificação da água nos centros espíritas, que tecnicamente podeis denominar de magnetização.Na Umbanda, esses vestuários servem de verdadeiras “coordenadas vibratórias”, através do magnetismo individual de cada um, para a movimentação espiritual dos socorristas até os locais em que se encontram os enfermos, como se fosse precisa posição de um ponto no espaço. Logo, não considereis um exagero de fetichismo, mas algo com fundamento no vasto campo de magnetismo.

– do livro VOZES DE ARUANDA

As vestes Brancas na Umbanda

roupa branca

As vestes na Umbanda são geralmente brancas, sempre muito limpas, já que este é um dos motivos pelo qual se troca de roupa para os trabalhos. Nunca se deve trabalhar com as roupas do corpo, ou já vir vestido de casa com as roupas brancas. O suor causa uma sensação de desconforto, o que traz uma má concentração e intranquilidade do médium (sem contar, é claro, com a desagradável situação de uma pessoa que vai tomar passes ou consultar-se, e ficar sentindo o cheiro do suor do médium, que está sempre próximo nos trabalhos).

O branco é de caráter refletor, já que é a somatória de todas as cores e funciona, aliado a outras coisas, como uma espécie de escudo contra certos choques menores de energias negativas que são dirigidas ao médium. Serve, também, para identificar os médiuns dentro de uma casa de trabalhos muito grande. Alem disso, é uma cor relaxante, que induz o psiquismo à calma e à tranqüilidade.

A Roupa Branca (Roupa de Santo) a vestimenta para a qual devemos dispensar muito carinho e cuidado, idênticos ao que temos para com nossos Orixás e Guias. As roupas devem ser conservadas limpas, bem cuidadas, assim como as guias (fios de contas), não se admitindo que um médium, após seus trabalhos, deixe suas roupas e guias no Terreiro, esquecidas. Quando a roupa fica velha, estragada, jamais o médium deverá dar ou jogar fora. Ela deverá ser despachada, pois trata-se de um instrumento de trabalho do médium