Motivos para que você não descuidar de sua quartinha 

Você tem dado atenção a sua quartinha?

Você tem dado atenção a sua quartinha? Começamos pelo famoso ” QUARTILHÃO ” aquele que habita a entrada ou porta De um ilê ao qual o filho da casa entra e despacha a porta no ato de jogar a água Na rua este mesmo quartilhão não pode ficar sem água ou seja vazio pois ele
Muito neutraliza a negatividade que habita o portão do lado de fora da casa de asé

Lembrando que esta deve ser rezada e encantada não só colocada e deixada lá .

Agora o assunto quartinha eis alguns motivos para você cuidar e zelar e não deixar Sua quartinha sem água ou abandonada .

– Orisás ligados a terra exemplos , Odé , Ogún , Xangô , Omolú

Quartinhas de barro para a evaporação da água e troca da, mesma até com uma Certa frequência ja que a água fertiliza a terra , a criação da quartinha de barro Também e de autoria de nanã a exemplo de nosso corpo , que a mesma empresta O barro para quando de nossa morte devolver o material a terra ou seja a nanã .

– Ja as iyágbas e orisás fufun que não são mexidos e não aceitam muito Movimento dentro de seus quartos ou locais aonde são assentados a quartinha e De louça ja que a água para estas divindades devem ser limpa ao extremo e a Louça deixa a água por tempo considerável pura para a sua troca .

Portanto deixar a quartinha sem água causa

– falta de axé sendo a água fundamental para tudo no asé

– traz poeira e esta mesma poeira o orisá joga para sua vida

– Afinal cada um oferece o que tem e o orisá retribui aquilo que você oferece

– Esta mesma água e que deixa a sua vida sempre renovada

– Esta mesma água e quem desperta o iniciado quando esta ” VIRADO NO SANTO’

– Esta mesma água e que mostra o respeito ao sagrado e seu cuidado com o orisá

– Esta mesma água fresca e trocada e rezada renova seus pedidos ao seu orisá

– Esta mesma água mostra o elo e a cumplicidade entre você e seu orisá

– Esta mesma água mostra que você e cumpridor de suas obrigações a seu orisá
E quando de seu recolhimento e preceitos em obrigações nada de caneca de Ágate e sim e da quartinha de seu orisá ou de seu igbá orí e que a água que ira Saciar a sua sede deve ser usada portanto não e apenas um elemento comum

Que se enche com água e deixa ao lado de seu orisá e para quem conhece asé Sabe que a quartinha acompanha a gente até na nossa partida deste mundo

Então você que é pouco zeloso com um dos materiais mais importantes de nosso Culto aqui alguns toques e motivação para que você seja um
Babá , Iyá , Egmoí , Iyáwô , exemplar e este tipo de exemplo você não dará a Ninguém e sim a si mesmo e a seu orisá como ja disse em postagens anteriores

Há coisas que só você mesmo pode fazer por você mesmo .

 

Texto por Babalorisa Kleber Ti Ogún

Água fluidificada

A água fluidificada é a medicina ideal para os espíritas e médiuns receitistas,
pois sua aplicação não deve ser censurada pelos médicos uma vez que não
infringe as posturas do Código Penal do mundo e sua prescrição não
constitui prática ilegal de medicina. Quando a água é fluidificada por
médiuns ou pessoas de físico e psiquismo sadios, ela se potencializa
extraordinariamente no seu energismo etérico natural, tornando-se um
medicamento salutar, capaz de revitalizar os órgãos físicos debilitados e
restabelecer as funções orgânicas comprometidas.
A água é elemento energético e ótimo veículo para transmitir fluidos
benéficos ao organismo humano. Ela é sensível aos princípios radioativos
emanados do Sol e também ao magnetismo áurico do perispírito humano.
Por conseguinte, se o indivíduo que lhe transfundir os seus fluidos for de físico
enfermiço, depauperado, ou que, em sua mente, estejam em efervescência,
emoções nocivas, neste caso, a água que ele fluidificar transformar-se-á em
elemento deletério.
Porém, não se deduza que o doador de fluidos tenha de ser um santo; mas,
sim, que o seu espírito esteja com “boa saúde”, pois se, por exemplo, em sua
mente ainda estiverem em ebulição as toxinas de uma explosão de ciúme que o
tomou na véspera, torna-se evidente que os seus fluidos não podem ser benéficos.
Os médiuns sem vícios deprimentes e libertos de paixões violentas, são
capazes de produzir curas prodigiosas pelo emprego da água fluidificada, a qual
ainda é superativada pelo energismo mobilizado pelos espíritos desencarnados em
serviços socorristas aos encarnados.
Em verdade, é o próprio organismo do homem que oferece as condições
eletivas para então manifestar-se em sua intimidade orgânica a ação terapêutica da
água fluidificada. O médium transforma-se num acumulador vivo que absorve as
energias de todos os tipos e freqüências vibratórias. Desde que ele possa
potencializar essas energias e conjugá-las numa só direção, comandando-as pela
sua vontade desperta e ativa, poderá fluir ou dinamizar a água e transformá-la em
líquido vitalizante capaz de produzir curas miraculosas. É evidente que o corpo
humano dos enfermos absorvem tanto quanto possível o “quantum” de energia que
lhes carreia a água fluidificada pelos médiuns. E assim que esse energismo
provindo do socorro mediúnico penetra na organização perispiritual do enfermo,
distribui-se por todos os espaços interatômicos e eleva o “tônus-vital” pela
dinamização de sua estrutura eletrobiológica.

Fonte: Mediunidade de Cura
Ramatis
Hercílio Maes

Firmar o Anjo da Guarda

Comumente escutamos em atendimentos com guias que devemos manter a vela de nosso anjo de guarda acesa.
Esta atitude gerou diversas Dúvidas e colocações nem sempre verdadeiras a respeito do fato de se firmar anjo de guarda. E aí surgem as perguntas: Damos luz para nossos anjos de guarda?
Deus colocaria um espírito sem luz para tomar conta de nossas vidas?
Notamos aí sem duvidas um grande erro.
Quando firmamos uma vela para nosso anjo, não estamos dando-lhe luz, mas sim criando um campo de proteção a nossa volta ígneo, ou seja, a partir da chama da vela nosso anjo irradia uma energia ígnea para consumir campos negativos, afastar espíritos desequilibrados e iluminar nosso mental para podermos receber suas orientações através da intuição.
Da mesma forma que não encontramos lógica em se firmar esta vela acima ou abaixo de nossa cabeça, pois de um momento que ela tenha sido devidamente consagrada aonde a mesma ficará firmada seja em cima de nossa cabeça ou abaixo da mesma não fará a menor diferença.
Quando ofertamos a nosso anjo a água, também não estamos matando sede de ninguém, mas tão somente utilizando-se de um elemento aquático para purificação de nosso espírito. Esperamos que com esta pequena contribuição possamos mostrar um dos fundamentos dos rituais de Umbanda.

A água na Umbanda

– Para Kardec, a ação magnética produzida pelo agente encarnado (magnetizador), tanto pode produzir uma modificação nas propriedades da água, quanto no tocante aos fluidos orgânicos (ex: bile, linfa, líquido cefalorraquidiano, saliva, suco gástrico, sangue total, etc).
– O Espírito Lísias explica para André Luiz , que “… a água é veículo dos mais poderosos para os fluidos de qualquer natureza. Aqui (em Nosso Lar), ela é empregada sobretudo como alimento e remédio”. Continue lendo “A água na Umbanda”