Pontos de Xangô

Pontos de Xangô

1- 
Xangô, ô, ô, ô, ô
Xangô, ô, ô
Meu Pai
Xangô Kaô
Aonde está o mistério dos índios
Aonde está o mistério dos índios
Está na mata virgem
Onde mora meu Pai
Babalaô aê, babalaô auê 
Ô, ô, ô, ô, ô 
Ô, ô, ô
Meu Pai
Xangô Kaô
Se macumba não deu saravá



2- PONTO DE XANGÔ

Lá no alto da pedreira

A faísca vem riscando

Agüenta mão Cabra de Força

Que a faísca vem queimando

3- PONTO DE XANGÔ

Quando a lua aparece

O leão da mata roncou

A passarada estremece

Olha a cobra coral piou, piou

Olha a cobra piou

Salve o povo de ganga ô

Chegou seu rei de umbanda

Sarava nosso Pai Xangô

4- PONTO DE XANGÔ

O ronco da pedreira

É uma trovoada

Já se ouviu no céu

Já se ouviu no mar

Oi salve a pedra de Xangô

Oi salve a Sereia do Mar

Oi salve Oxossi lá nas matas

Oi salve Ogum no Humaitá

5- PONTO DE XANGÔ

Xangô tem seu livro na pedra

Ogum tem a sua lança

Oxossi a sua flecha

E Miguel sua balança

6- PONTO DE XANGÔ

Ó Gino, olha sua banda

Ó Gino, olha seu conga

Aonde o rouxinol cantava

Aonde Xangô morava

Ele é Gino da cobra coral

Ele é Gino da cobra coral

Ele é Gino da cobra coral

Kaô
7-

Xangô é corisco 

Nasceu na trovoada 

Trabalha na pedreira 

Acorda na madrugada 

Longe, tão longe 

Aonde o sol raiou 

Saravá Umbanda 

Oi, saravá Xangô

 

 8-

Escureceu, a noite chegou 

Firma ponto na pedreira, saravá Xangô 

Saravá Xangô 3x

 

 9-

Subi na pedreira, subi

Uma pedra rolou no corisco de Xangô

Dizem que Xangô mora na pedreira 

Mas não é lá sua morada verdadeira 

Xangô mora na cidade de Luz

Aonde está Maria e o Menino Jesus

Dizem que Xangô mora na pedreira 

Mas não é lá sua morada verdadeira

 

 10-

Lá em cima daquela pedreira 

Tem um livro que é de Xangô 

Kaô, kaô 

Kaô é kabecile é de Xangô

 

 11-

Deixei meu filho em cima da pedreira

E de repente ele escorregou

Me ajoelhei e olhei pra baixo

Estava nos braços de meu pai Xangô

 

 12-

Meu pai Xangô 

Deixa essa pedreira aí 

A Umbanda está lhe chamando 

Deixa essa pedreira aí

 

 13-

Pedra rolou, Pai Xangô, lá na pedreira

Segura o ponto, meu Pai, na cachoeira

Tenho o meu corpo fechado

Xangô é meu protetor

Firma esse ponto, meu filho

Pai de cabeça chegou

 

 14-

Xangô, meu pai, atende essa romaria 

Dos filhos que vem de longe 

E não podem vir outro dia

 

 15-

Xangô mostrai a força que vós tendes 

Xangô é o rei da justiça

E não engana ninguém

Xangô Kaô, Xangô Agodô 3x

 

 16-

Meu Pai Xangô chegou no reino 

Meu Pai Xangô já vai girar 

Olha seus filhos lhe pedem meu pai 

Não deixe os filhos tombar

 

 17-

Na beira do Cariri, eu vi Xangô sentado

Yemanjá e Oxum e Santa Bárbara ao seu lado

Na beira do Cariri

 

 18-

Xangô, Xangô, meu pai Xangô

Xangô mora na pedreira

Quem mandou relampejar

Kaô Kabecile, obá, Xangô

Saravá Xangô 3x

 

 19-

Machadinha de cabo de ouro

De ouro, de ouro

Machadinha de cabo de ouro

É machadinha de Xangô

 

 20-

Ele vem de Aruanda

Ele vem trabalhar

Ele vence demanda

Ele é seu Pangará

Kaô, kaô, kaô, kaô

A justiça chegou, Xangô

Ele vem de Aruanda

Ele vem trabalhar

Ele vence demanda

Ele é seu Arirá

Kaô, kaô, kaô, kaô

A justiça chegou, Xangô

 

 21-

Quem rola pedra na pedreira é Xangô 

Vivô a coroa de Zambi 2x

Vivô a coroa de Zambi é maior

 

 22-

Xangô chegou na terra

Xangô girou na Umbanda

Com seu grito de guerra

Xangô venceu demanda

 

 23-

Quebra pedra na pedreira 

Quero ver arrebentar 

Quem demanda com meus filhos 

Eu também sei demandar

 

 24-

Sentado na pedreira de Xangô

Eu fiz um juramento até o fim

Se um dia me faltar a fé em meu Senhor

Que role esta pedreira sobre mim

Meu Pai Xangô chegou do Reino

Meu Pai Xangô é Orixá

Olha, seus filhos lhe pedem meu Pai

Fé e proteção neste congá

 

 25-

Senhor dono da casa

Me dá licença de entrar

Minha banda é de Xangô,

É de Zambi e Oxalá

 

 26-

Xangô é rei de Yorubá

Xangô é rei da pedreira

Xangô é rei dos astros

Xangô é rei de Umbanda

Os teus filhos te chamam

Xangô, Xangô, Xangô Agodô

 

 27-

Meu pai Xangô sentado na pedreira

Com sua machadinha

Cravejadinha de estrelas

 

 28-

Naquele tempo em que Agodô escrevia

Pena de ouro ele trazia

 

 29-

Meu pai Xangô, olhai seus filhos

Que eu também sou filho seu

Seu Agodô,

Yemanjá Sobá, Yemanjá Sobá

Seu Aganju,

Yemanjá Sobá, Yemanjá Sobá

 

 30-

Oh, Gino. Olha a sua banda

Oh, Gino. Olha o seu Congá

Aonde o rouxinol cantava

Aonde Xangô morava

Oh, ele é Gino da Cobra Coral 

 

31-

Eu vi Santa Bárbara e Xangô

Estavam sentados em cima da pedra

Estavam rezando para os seus filhos

Xangô é homem que vai pra guerra.

 

 32-

Eu fui lá nas matas buscar minhas guias

E lá encontrei pai Xangô que dizia

Zum, zum, zum, pai Xangô é Kaô

Zum, zum, zum, pai Xangô é Agodô

 

 33-

É na mesa de Umbanda

Que Xangô faz refeição

Xangô vem cuspindo fogo

Pra levantar filhos do chão

 

 34-

Ecoou lá na mata da Jurema

Não muito longe, num pé de caneleira

Estou ouvindo o eco do infinito,

O que será?

É o ronco da pedreira,

Xangô, Kaô, meu pai

Me cubra com sua bandeira

 

 35-

Xangô, Kaô

Xangô meu pai, venha me ajudar

Xangô é meu guia, Xangô é meu pai

A pedra na pedreira ela rola, mas não cai

Vem trabalhar Xangô, vem trabalhar

No terreiro ele é caboclo

Na pedreira ele é Orixá

 

 36-

Eu pedi a meu pai Xangô

Que me tirasse desta aflição

Olha o seu bom filho

Ele tem fé e lhe traz no coração

Sofrer como eu sofri

Só mesmo um filho de fé

Hoje eu agradeço a Xangô

Eu tinha esperança

Que a bonança voltaria e voltou.

 

 37-

Xangô mora na pedreira 

Onde canta o rouxinol 

Sua pedreira é tão linda

Pai Oxalá abençoou

Toda coberta de estrelas

Saravá meu pai Xangô

 

 38-

Xangô, ele rei da pedreira

Rei da pedreira ele é o rei de Umbanda

Xangô ele é o nosso Pai

E filhos de Xangô

Bambeia mas não cai

 

 39-

Estava sentado na pedra

Esperando meu Pai Xangô

Xangô na Aruanda

Xangô na quimbanda

Xangô na linha das almas

Com Ogum venceu demanda

 

 40-

Segura a pedra Xangô

Não deixa a pedra rolar

Pega no livro e na pena

Para a justiça firmar

 

 41-

Eram seis horas quando o sino tocou

Na Marambaia, cidade da Jurema

Eram dez horas quando o galo cantou

Com licença de Zambi, saravá Pai Xangô

 

 42-

Na pedreira da mata virgem

Aonde mora meu Pai Xangô

Água minou, Nanã Buruquê 

Pedra rolou, saravá Pai Xangô

 

 43-

Que pedreira tão alta

Que nem limo criou

Oh não me quebra pedra

Que a morada é de Xangô

 

 44-

Seu Ariri, Ariri, Ariri

Seu Ariri ele é o Rei da Mata Virgem

Aonde o sabiá cantava

Na pedra onde Xangô morava

 

 45-

Lá no alto da pedreira

A faísca vem rolando

Agüenta a mão cabra de força

Que a faísca vem queimando

 

 46-

Minha mãe cadê Xangô

Xangô foi passear

Minha mãe cadê Ogum

Foi pra guerra guerrear

 

 47-

Meu Pai Xangô, olhai seus filhos

Que eu também sou filho seu

Kaô, Kabecilê, saravá congá

 

 48-

Xangô, Xangô, Xangô, Xangô meu Pai

Foi o Senhor mesmo quem disse

Filho de Umbanda não cai

 

 49-

Tererê Xangô, ô tererê Xangô

Na calunga,

Segura filhos de Umbanda

Não deixa filhos cair

 

 50-

Xangô é dono da pedreira 

Segura o meu destino até o fim 

Se algum dia eu perder

A fé no meu Senhor

Rolai essa pedreira sobre mim

Meu Pai Xangô

 

 51-

Oxossi é rei das matas

Xangô é da pedreira

Iansã da ventania

Mãe Oxum da cachoeira

Xangô, Xangô, Xangô, kaô, Kabecilê

 

 52-

O Ganga ô

A terra é da Jurema

O leão é lá das matas

A pedra é tão forte

O rei, é Xangô

 

 53-

Xangô veio das virgens matas

Com seu bastão de prata

Para nos salvar Xangô kaô

Xangô no reino é meu Senhor

 

 54-

Graças a Deus, meu Deus

Pelo dia de hoje

Louvado seja Deus

Meu Pai Xangô, muito obrigado

Que Deus nos dê muita luz em nossos caminhos

 

 55-

Cacheoria da mata virgem

Onde mora meu pai Xangô

Pedra rolou da cachoeira

Pedra rolou, saravá pai Xangô

Saravá, pai Xangô

 56-

Eram seis horas quando o sino batia

Na Marambaia, cidade da Jurema

Eram seis horas quando o sino tocou

Com licença de Zambi, saravá Pai Xangô

57-

Xangô já vai 

Já vai pra Aruanda 

A bênção meu pai 

Proteção pra nossa banda

 

 58-

Camboteei lá na pedreira

E Xangô disse que sim

Quem tem Santo tem Caboclo

Tá na hora de subir

 

 59-

Xangô de ouro e ouro ô 

Xangô me coroou 

Filhos de pemba, a Umbanda chora

É Xangô que já vai embora

A Umbanda gira, gira, girê 

A Umbanda gira, gira, gira, girá

 

 60-

Meu pai Xangô já berimbou na aldeia 

Kaô, cunhanha, ô cunhanha 

Kaô cunhanha


Gostou do artigo? Então não se esqueça de compartilhar com os seus amigos! Obrigado!






Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.